segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Economia: Previdência Privada

Olá meninas tudo bem? 
Dando continuidade nos produtos de investimentos, vamos falar hoje de previdência privada, embora eu não considere um investimento e sim uma complementaçao de renda para a sua aposentadoria. 
Vamos em primeiro momento ao conceito: Previdência Privada é uma aposentadoria que não está ligada ao sistema do Instituto  Nacional de Seguro Social(INSS), ela é complementar a Previdência Pública e fiscalizada pela SUSEP( Superintendencia de Seguros Privados) orgão do Governo Federal. 
E qual a diferença em relaçao ao INSS?? 
Na previdência Privada é possivel escolher o valor da contribuiçao e a periodicidade em que ela será feita.
Uma pessoa pode contribuir com R$ 100,00 uma vez por ano por exemplo, é claro que o valor que receberá quando começar a fazer uso dessa previdência é proporcional ao valor contribuído.
Além disso o valor investido em um plano de previdência pode ser resgatado pela pessoa se ela desistir do plano.
No momento em que escolhe o plano é importante está atento a forma de cobrança de impostos, independentemente do plano, existe a opçao por 2 formas de tributaçao: REGRESSIVA: Que favorece o resgate de uma só vez.
A outra é: PROGRESSIVA: Mais vantajosa para quelas pessoas que querem receber a quantia investida em formas de parcelas mensais e não resgatar todo o dinheiro em uma só vez.
Resumo do Post
Restante do Post
A simulaçao abaixo feita pela BrasilPrev, ajuda a entender:

Uma pessoa de 22 anos que vá se aposentar aos 52 anos, ou seja, 30 anos depois e faz um invetimento único de 30 mil.

Caso retire com um SAQUE ÚNICO aos 52 anos:
Valor Bruto: R$ 285.632,61
Valor Liquido com Tributaçao Progressiva: R$ 219.749, 94
Valor Liquido com Tributaçao Regressiva: R$ 258.953,95

Caso faça a opçao por RENDA TEMPORÁRIA de 20 anos:
Valor Bruto: R$ 1.266,86 por mês
Valor Liquido com Tributação Progressiva: R$ 1.266,86 por mês
Valor Liquido com tributaçao Regressiva: R$ 1.152,62

O regime tributário usado deve constar no contrato bem como informar ao cliente essas opções. 

Existem 2 tipos de Previdência Privada:

1 - PGBL(Plano Gerador de Benefício Livre): Recomendado para pessoas com renda mais alta, pois o valor pago pode ser abatido do Imposto de Renda( desde que esse valor represente até 12% de sua renda bruta anual). Sendo que quando o dinheiro é sacado, o imposto pago  é referente ao total que havia no fundo. Ex: Se esse valor for de R$ 300 mil, o imposto será cobrado sobre ele. 

2 - VGBL( Vida Gerador de Benefício Livre) : Sua diferença para o PGBL é que não pode ser abatido do IR e o imposto na hora do resgate incide sobre os rendimentos. Ex: Se a quantia que há for de R$ 300 mil, mas o rendimento que houve ao longo do plano foi de R$ 10 mil o imposto vai incidir nesse valor.
Nos Planos de Previdência , é possível escolher se a renda recebida será por um determinado período ou de ela será vitalícia. 

Quem faz o plano também pode determinar que os filhos e a mulher continuem recebendo a renda se ele morrer.
Quando a pessoa inicia um PGBL ou um VGBL pode atrelar seu plano a um pecúlio por morte ou invalidez, funcionam como um seguro!! No primeiro caso, quando a pessoa que paga morre, o dinheiro acumulado é dado a família, no segundo caso se a pessoa que paga perde as suas condições de trabalho o dinheiro é entregue a ela mesma. 
Você encontra no site da SUSEP as instituicões credenciadas a realizar Planos de Previdência Privada, como também um simulador para os dois planos.
( www.susep.gov.br).

Taxas Cobradas:

O mercado costuma cobrar 3 tipos de taxa do cliente: Carregamento (sobre cada contribuição; Gestão (1 vez por ano) e Saída (no momento do resgate). 


As taxas são a grande vilã de qualquer plano de previdência, é fundamental que seja esclarecido no momento da contratação:
Carregamento: varia entre 0 a 3%
Gestão: varia entre 1,5% e 3%, cuidado pois é a taxa de maior impacto na aplicação, faça sempre a opçao do plano qu possui a menor taxa.
Saída: A maioria das seguradoras executam essa taxa apenas nos primeiros anos. Algumas impõe carência para resgates e transferência para outras seguradoras. 



Importante: A escolha do regime de tributação que incidirá sobre o seu investimento. Para isso você deve ter em mente sobre o tempo e a valor da aplicação. Suas opções são:
Tabela Progressiva: Tributação é de 15% na fonte
Tabela Regressiva: 



Tipos de renda a definir:

 -Renda Temporária: você recebe uma pensão por um período determinado, porém quando você morrer o benefício "cessa", mesmo que haja saldo remanescente.
 -Renda Vitalícia: Você recebe uma pensão mensal enquanto viver, ou seja ao passar dessa para uma melhor o benefício "cessa" imediatamente, independente de eventuais saldos remanescentes.
 -Renda Vitalícia Reversível ao Beneficiário: você recebe uma pensal mensal até falecer, e quando isso ocorrer, um percentual desse dinheiro é revertido a um beneficiário(indicado no contrato) até sua morte.

Garantias Adicionais: Você pode optar normalmente pagando uma taxa a mais:

- Pecúlio por morte: caso você venha a falecer antes do período de renda o beneficiário recebe o montante integral acumulado até a data;
- Pensão por prazo certo: semelhante ao caso anterior, com a diferença de que o recebimento do montante ocorre em parcelas(no formato de pensão);
- Pensão a filhos: Os filhos menores de idade receberão uma pensão mensal até atingirem a maioridade, no caso do seu falecimento.
- Pensão ao cônjuge: Semelhante a opçao anterior, porém destinada apenas um 
beneficiário( em geral o cônjuge ou companheiro);
- Renda por invalidez: Caso você venha a se tornar inválido durante o período de acúmulo, você receberá uma renda mensal, uma espécie de seguro por por invalidez.

QUANTO CONTRIBUIR: 

Se você tem renda superior a R$ 4.663,75 pode optar pela previdência privada para manter o mesmo patamar financeiro quando se aposentar.
Para definir seu plano de previdência deve ter em mente 3 observações:
1: Quando você deseja iniciar a aplicação?
2: Quando você deseja se aposentar?
3:Quanto você quer receber de renda extra na aposentadoria. 

Pense muito bem na escolha da administradora do seu Plano de Previdência Privada, afinal de contas serão longos anos de aplicação. 
Não dá para brincar com aplicaçao desse tema. 
Idoneidade e Solidez são requisitos fundamentais.
Não estamos falando de uma aplicação que será resgatada em 2 ou 3 anos, e sim de até 35 anos de investimentos/contribuição. Mais do que isso, estamos falando de uma renda complementar até o final da vida. 

Abs,

Márcia Rocha
Economista e Consultora
Postar um comentário