domingo, 26 de outubro de 2014

SER MÃE

Ser mãe é algo que só quem é mãe pode entender, vai além de tudo que eu possa descrever.

Ser mãe é ver o corpo se transformar, sentir algo mexer dentro da gente, a barriga crescer, as prioridades mudarem.

Ser mãe é ficar feliz com os seios triplicando de tamanho, porque isso é sinal que teremos leite para alimentar o nosso bebê; Ser mãe é também ver o leite secar, sentir muita dor e ter que desistir da amamentação e partir pra mamadeira.

Ser mãe é chorar de alegria por conseguir trazer ao mundo um ser que cresceu dentro de nós por 9 meses; é sentir orgulho de si mesma por conseguir ter um parto normal, mas também é agradecer à Deus pela invenção da cesárea, pois sem ela o filho não conseguiria nascer a tempo.

Ser mãe é dormir pouco, mesmo que o filho durma a noite toda, porque de hora em hora a gente levanta pra ver se está tudo bem; mas também é ficar torcendo pra ele dormir muito, porque estamos sem força pra levantar mais uma vez.

Ser mãe é aprender a identificar o choro, aprender o tipo de balanço que mais agrada o bebê no seu colo, é criar uma posição perfeita para colocá-lo no berço sem que ele acorde.

Ser mãe é aprender a cozinhar as melhores papinhas, fazendo combinações nunca antes experimentadas, mas também é render-se às papinhas industrializadas quando não tiver outro jeito.

Ser mãe é aprender a ouvir calada todas as sugestões das outras mães, parentes e amigas; mas também é mandar todo mundo cuidar da sua vida e não fazer nada do que sugerem.
Ser mãe é ensinar tudo que a gente sabe, mas é também aprender tudo que não sabemos para poder ensinar.

Ser mãe é não ter tempo para as coisas que antes eram essenciais. É passar o dia de pijama, sem conseguir escovar os dentes, comendo restos dos filhos. Ser mãe também é contratar uma babá ou pedir ajuda das avós para poder ir ao cabeleireiro, à academia ou simplesmente sair com o marido.

Ser mãe é usar o banheiro com a porta aberta, é tomar banho de 2 minutos, é não ter nojo de limpar vômito e cocô várias vezes ao dia. Mas ser mãe é também pedir que o marido limpe tudo e trancar-se no banheiro para conseguir tomar um banho decente.
Ser mãe é ver os filhos crescendo, aprender a andar, a correr. É ficar na expectativa pela primeira palavra, mas também é querer que o filho fique quieto porque não aguenta mais ouvir tanta falação.

Ser mãe é ficar escondida na frente da escolinha do filho, chorando e se perguntando porque seu bebê está crescendo. Mas é também dar graças a Deus porque agora terá 4h livres por dia para fazer outras coisas.

Ser mãe é virar líder de torcida, é competir com outras mães para ver quem tem o filho mais lindo, mais inteligente. Mas também é ensinar que o que vale é competir, que todos são vencedores.

Ser mãe é ter que falar sobre assuntos constrangedores, responder  às perguntas mais embaraçosas na frente de qualquer um. Mas ser mãe é também pedir ajuda ao pediatra, à professora, à psicóloga.

Ser mãe é aprender a dividir, a ficar em segundo plano, a cuidar de tudo, a adivinhar desejos e pensamentos, a realizar sonhos, a ler contos de fadas, a ir ao cinema somente para ver filmes infantis, a não ter tempo para fazer programas de adulto. Ser mãe também é dar conta de tudo, administrar o tempo para conciliar filhos, marido e trabalho. A lutar por uma boa colocação no mercado de trabalho, é ter que deixar os filhos o dia todo numa creche porque precisa trabalhar para sustentá-los.

Ser mãe é aprender que não existe fórmula mágica para nada, que o que funciona para uma, não funciona para outra.

Ser mãe é escrever a sua própria história, é seguir seu instinto materno, é decidir qual o melhor caminho a seguir.

Ser mãe é uma experiência única, não importa quantos filhos você tiver, você é uma só.
Ser mãe é olhar pra trás e se arrepender de algo, mas também é sentir um super orgulho de si mesma, por ver que valeu e vale à pena todo sacrifício feito.

Ser mãe é sentir o amor maior do mundo, é ser capaz de doar-se, de dar o melhor de si, mesmo quando nosso tudo parece não ser o suficiente.

Ser mãe é ver que em breve os filhos irão embora, seguirão seus próprios caminhos independente das nossas vontades. É respeitar a decisão dos filhos e ficar ao lado deles pra tudo. Mesmo quando isso doer em nós.

Ser mãe é o ofício de uma vida, é a maior entrega de todas. 

Ser mãe é algo que só quem é mãe pode entender, vai além de tudo que eu possa descrever.

Eu e meus filhos, 17/03/2007.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Orçamento doméstico

Oi gente, tudo bem?
Uma das tarefas que em muitas famílias fica à cargo das donas de casa, é o orçamento doméstico.
Isso inclui efetuar os pagamentos das contas, arquivá-las, calcular quanto dinheiro pode ser gasto em cada coisa, planejar os gastos futuros, poupar para emergências e/ou lazer, fazer as compras de alimentos, roupas e afins para toda família, enfim, uma espécie de "gerente" financeira.
Aqui em casa é assim desde que nos casamos. Meu marido trabalha fora e é o responsável por trazer os recursos financeiros; eu trabalho em casa, cuidando dos filhos, serviços domésticos e administrando nosso dinheiro. Cada casal deve decidir junto o que funciona melhor para si, o ideal é que o dinheiro fique sempre com a parte menos "gastona"rsrsrs senão fica mais difícil manter o equilíbrio entre o que entra e o que sái.
Para quem não tem noção nenhuma de administração, um livro muito bom que já lemos há bastante tempo é este:





Ele é bem esclarecedor, traz muitas dicas sobre como poupar, fazer planilhas, planejamento para fazer render mais o nosso dinheiro, evitando assim que o casal enfrente dificuldades financeiras recorrentes, que causam muitas brigas e até separações. O autor tem um site para tirar algumas dúvidas e dar algumas dicas também: www.maisdinheiro.com.br

Aprender a lidar com o dinheiro de uma maneira saudável não é tão difícil quanto parece. É preciso força de vontade e foco, como tudo nessa vida. Sugiro que comecem anotando tudo que gastam. Existem planilhas prontas gratuitas pela internet, basta pesquisar sobre isso no Google. Mas pra quem não está nada familiarizada com organização, anotar num caderninho já ajuda muito!
  1. Escreva de um lado as contas Fixas (de consumo ou que é sempre o mesmo valor): água, luz, telefone, aluguel, escola, convênio, etc; 
  2. Depois, anote as Variáveis (que gastamos todos os meses, mas o valor varia): supermercado, gasolina, etc; 
  3. E então as Extras (que não gastamos sempre): restaurante, lazer, presentes, etc.


Depois escreva quanto dinheiro entra. Se tiver um salário fixo é mais fácil, mas se receber comissões, extras, aluguéis, qualquer coisa, anote tudo. 
O próximo passo é somar as duas partes e depois subtrair o que sái (despesas) do que entra (renda familiar).
Assim vocês descobrirão se estão gastando dentro do possível ou acumulando dívidas.
Se o dinheiro estiver sobrando, é hora de pensar em aplicá-lo, de início o melhor é a poupança. Vão juntando o que sobrar todo mês e depois decidam o que fazer com ele: comprar uma casa, um carro, fazer uma viagem, etc.
Se o dinheiro estiver faltando, é hora de verificar quais despesas podem ser cortadas e/ou diminuídas. Pra isso é necessário uma conversa franca, para decidirem juntos o que funcionará melhor pra família de vocês. Mas o que ninguém merece é viver devendo, viver com a "corda no pescoço", né? Vale a pena fazer sacrifícios pela saúde financeira da família.
Atualmente estou usando um app (aplicativo) para Iphone chamado: Orçamento Inteligente 2. Ele só está disponível para aparelhos da Apple. Para mim está sendo muito útil, substitui o caderninho, e tenho sempre à mão. Se seu aparelho for compatível, vale a pena experimentar:


Não deixe esse assunto para depois. O quanto antes fizerem o planejamento, mais cedo verão os resultados aparecerem.
O dinheiro precisa estar a seu favor e não contra. Não vale a pena ficar estressado, angustiado, viver devendo, passando vergonha. Todos nós enfrentamos momentos ruins na vida. Desemprego, doenças inesperadas que geram gastos extras, separações,acidentes, enfim, coisas que afetam a renda familiar. Mas para tudo há uma solução. Se você está muito endividado, não é da noite pro dia que elas acabarão, mas se não fizer nada, não acabarão nunca! Dê um passo de cada vez e logo será economicamente saudável e poderá realizar seus sonhos de consumo com responsabilidade.
Boa sorte!
Um abraço,

Alyne







sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Bolo de Milho Cremoso

Oi, gente! Tudo bom com vocês?
Hoje fiz um bolo que eu gosto muito!! Já postei a receita há algum tempo no Instagram, mas resolvi postar aqui também.
É um bolo de milho super fácil e que fica delicioso!





Ingredientes:

1 lata de milho verde (sem a água);
1 lata de leite condensado;
1 pacote de coco ralado;
1 colher de margarina;
4 ovos;
1 colher cheia de fermento.

Modo de fazer:

Coloque todos os ingredientes, menos o fermento,  no liqüidificador. Bata entre 3 e 5 minutos, depende do seu gosto. Eu bato 5 minutos, ele fica com pedacinhos pequenos de milho, se bater 3 ficará com pedaços maiores. Por último coloque o fermento e bata pouquinho, só pra misturar.
Coloque em uma fôrma untada e enfarinhada, leve ao forno 180 graus e deixar por uns 30 minutinhos.




Notas:
  • Esse bolo não leva farinha, portanto Não Contém Glúten, pode ser consumido por celíacos.
  • Sua consistência é quase como a de um pudim. 
  • Não use uma assadeira grande, senão ele ficará muito baixo, pois não cresce muito. Prefira uma menor.
  • Assim que ele dourar, já pode tirar do forno, não espere assar demais, senão ele pode ficar seco.


Experimentem! Espero que gostem!
Beijos,
Alyne