segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Me aventurando no Youtube.

Oi gente! Tudo bom com vocês?
Mesmo com toda vergonha do mundo, resolvi encarar o desafio e criar um canal no Youtube.
Meu objetivo é, assim como aqui no blog, complementar meu perfil do Instagram. Aqui eu posso escrever mais, e nos vídeos posso falar mais e demonstrar algumas dicas, facilitando o entendimento de todos.
Não sou profissional, não entendo muito ainda, mas aos poucos vou aprendendo e melhorando.
Espero que vocês gostem e me acompanhem.
Um grande beijo,
Alyne



quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Porque reagimos diferente ao sofrimento?

Essa é uma pergunta que sempre me intrigou. Porque não sofremos igual?
Porque cada pessoa reage de um jeito diferente, mesmo quando parece que o problema é igual? Ou também, porque uns aguentam tanto e outros sucumbem ao primeiro desafio?
A resposta mais óbvia é porque todos somos diferentes. Claro, eu sei que somos. Mas só isso não preenche as lacunas do meu questionamento.
Se todos somos dotados de uma infinidade de talentos, capacidades, dons, porque alguns simplesmente parecem ignorar essas coisas e desistir?
Eu não sou psicóloga, psiquiatra, nem Dra em nada. Mas eu gosto de gente. Gosto de observar as pessoas e tentar imaginar o que pensam, sentem, porque escolhem esse ou aquele caminho.
E hoje estou num desses dias de reflexão.
Havia uma cantora que eu gostava muito, admirava demais e também adoraria cantar como ela: Whitney Houston. Dificilmente alguém da minha geração, não se "esgoelou" (rsrs) pelo menos uma vez na vida, tentando cantar I will always love you - seu maior sucesso.
Pela televisão a gente via uma mulher forte, bonita, com um talento indiscutível! Com o tempo foram surgindo notícias ruins sobre ela, envolvendo drogas, álcool, brigas públicas com o marido, internações...parecia que era o fim. Mas ela decidiu se reerguer, separou-se do marido, gravou um disco lindo, e voltou a fazer um enorme sucesso. Uma linda história de superação e vitória parecia estar sendo escrita. Até que veio a notícia de sua morte. A causa oficial foi afogamento acidental, mas muitos especulam que tenha sido causada por consumo de cocaína.
Aí eu me pergunto: porquê? Porque alguém tão admirada, com tanto sucesso, fama, dinheiro, não consegue lidar com seu sofrimento interno?
A resposta que eu encontro para essa pergunta é: falta Deus.
Nossa vida é cheia de desafios, incertezas, lutas, e por mais que tenhamos talentos, meios físicos ou econômicos que parecem ser capazes de resolver tudo, não são! 
Chega uma hora que nossa força desaparece, as coisas tomam proporções e caminhos que não sabemos mais o que fazer, e é nessa hora que Deus entra. Quando não há mais saída, mais forças pra lutar, mais amigos em quem nos apoiarmos e tudo está se perdendo.
Deus entra e nos resgata de nós mesmos, das ciladas que escolhemos cair.
Se é isso, porque sofremos tanto?
É porque somos orgulhosos, não queremos assumir que nosso Tudo não é Nada! Que somos totalmente dependentes de um poder superior, e que longe Dele nada de bom pode existir.
É a distância de Deus que leva o homem às drogas, ao crime, à depressão, à falência e muitos ao suicídio.
Então a resposta pras minhas perguntas do primeiro parágrafo ficam claras. Reagimos diferente ao sofrimento porque uns escolhem deixar tudo nas mãos de Deus e confiar, e outros decidem ser seus próprios guias. Uns entendem que nesse mundo teremos aflição (João 16:33) mas não estamos sozinhos, outros decidem viver dando "murro em ponta de faca".
Há muitos mistérios, muitas coisas que não explicamos, que não entendemos, mas eu prefiro, na dúvida, não tentar resolver nada do meu jeito, quando tudo aperta eu clamo à Deus e peço Seu socorro.
Não importa a placa da igreja que você vai, ou se não vai em nenhum templo, o que importa é o seu relacionamento com Deus. Isso é entre vocês dois, independe de qualquer outra coisa! Experimenta confiar. Faça um teste! Diga: Cansei, Senhor! Não sei mais o que fazer, preciso de Ti! E creia que tudo vai se transformar em sua vida. 
Um grande abraço pra vocês!! E fiquem com essa linda canção.




segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Usando Vinagre na lavanderia.

Oi gente! Tudo bom com vocês?
Muitas pessoas sabem dos benefícios do vinagre para temperar saladas e afins, né?
Mas hoje resolvi falar sobre como usá-lo na lavanderia. E não é na limpeza não, é nas roupas mesmo!!
Hoje eu testei substituindo o amaciante de roupas, e funciona mesmo! As roupas ficaram super macias! A diferença é o perfume, claro, mas não fica com cheiro de vinagre não, só não fica perfumada como amaciante. Mas numa hora de aperto, quando acabou o amaciante, alguém da casa tem alergia ou estamos sem grana pra comprar, vale muito à pena!



Eu testei em roupas pretas, e não havia muitas, então usei essa medida. Mas se sua máquina estiver cheia, use um copo todo.
Fora amaciar as roupas, existem outras utilidades para o vinagre:
  • Para evitar o desbotamento da cor - adicione uma xicara de vinagre na hora de lavar roupas coloridas;



  • Para branquear roupas encardidas - Misture 1 xicara de vinagre com 5 xic de água, ferva tudo, coloque num balde e deixe as roupas de molho de um dia para o outro. Após isso, só lavá-las normalmente;



  • Tirar cheiro de mofo das roupas - Deixe-as de molho numa mistura de água com vinagre por 60 minutos;



  • Para tirar maus odores das roupas - Adicione 1 xic de vinagre junto com o sabão;



  • Para remover manchas antigas - Misture 3 cs de vinagre + 2 cs de detergente. Esfregue sobre a mancha e deixe 30 minutos em repouso. Enxágue e lave normalmente;



  • Para evitar que roupas novas soltem a cor - Mergulhe-as numa vasilha com vinagre puro por 10 minutos. 




Lembrando que trata-se do Vinagre Branco, de álcool, porque esse não deixa cheiro e nem tem cor. ok?!
Um beijo grande e até a próxima!!

Alyne



quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Um pouco sobre mim....

Oi gente! Tudo bom com vocês? A pedidos, resolvi falar um pouco de mim, pra vocês me conhecerem melhor.
Pra começar me chamo Alyne com Y mesmo, não é frescura e quem tem nome assim sabe como é ruim ter que viver falando: é Alyne com Y! rsrsrs Mas, em 34 anos a gente acostuma, né?!
Nasci em São Paulo, capital, dia 01/03/1980. Sou filha do meio, tenho dois irmãos homens.
Desde pequena, frequentava a Igreja Adventista do Sétimo Dia, cresci sob essa doutrina religiosa.
Minha família vivia mudando de casa, de bairro, de cidade...meu currículo escolar é uma loucura! O máximo que frequentei a mesma escola foi por 2 anos seguidos.
Estive sempre entre os melhores alunos da escola, mas não era considerada CDF pelos colegas, porque sempre fui super extrovertida, me dava bem com todo mundo!
Na igreja eu também sempre fui participativa, principalmente cantando. Aos 19 anos cheguei a gravar um CD com um trio do qual fazia parte.

Sempre fui desenvolta, falante, curiosa e "avançada" pra minha idade. Meu primeiro namoradinho foi aos 13 anos! Mas quem é de igreja sabe que isso é normal, porque namoramos pra casar, e quanto mais cedo isso for, melhor. Mas sempre fui ajuizada e temente à Deus, então nunca fui de aprontar! Pra vocês terem uma idéia, nunca fui em boates, danceterias (que era como chamava na minha época de adolescente), nunca tive e continuo não tendo nenhum vício, nem Champagne eu bebo!!

Aos 17 anos passei no vestibular para Direito na FMU (faculdade muito conceituada de SP nessa área), cursei o primeiro semestre e vi que aquilo não era pra mim. Ficaria com dó de todo mundo e acabaria defendendo todos de graça!rsrs Tranquei a matrícula e no ano seguinte fui fazer Pedagogia. Nada a ver comigo até então, meu interesse era ter o diploma para montar minha própria escolinha.

Aos 19 (quase 20) me casei com o namoradinho de escola/igreja que conheci aos 16. Nos mudamos de cidade em seguida, e desde o primeiro mês de casados, tivemos problemas de adaptação. Mas a gente sempre pensa: é normal, vai passar, acontece com todo mundo! 1 anos e 3 meses depois engravidei do meu filho, e aí as diferenças entre nós foram virando abismos. Tranquei a faculdade no último ano, pois não consegui conciliar a gravidez, casa, trabalho, estudo. Aí me tornei dona-de-casa pela primeira vez. Quando o Victor completou 11 meses, ele decidiu que não dava mais e nos deixou. Me comunicou sua decisão por telefone! No início foi trágico, traumático...tive muita vergonha das pessoas, do que falariam de mim na igreja, como criaria meu filho sozinha...mas sempre acreditei que tudo que Deus permite é pro meu bem. 

E foi mesmo!! 3 meses depois, brincando na internet com minha cunhada, entramos num site de namoro virtual e lá eu encontrei o Eduardo.
Nunca imaginei passar por algo assim! Conversar com um estranho pelo computador, depois telefone, marcar um encontro no shopping e ser amor à primeira vista!! Tenho certeza que isso foi plano de Deus. Ele era de outra cidade, talvez nunca nos encontraríamos se não fosse assim. Começamos a namorar, no começo foi aquele choque pra todo mundo! Eu ainda era casada no papel, ele não era da minha igreja, enfim...tudo parecia errado. 

Voltei pra faculdade e o último ano virou mais 2, por mudanças na grade. Trabalhava meio período, minha mãe cuidava do meu filho (voltei a morar com meus pais depois da separação) e estudava à noite. O dinheiro só dava pra cuidar do Vi.
2 anos e meio depois, estava com 25 anos, me formei, saiu meu divórcio e pude então me casar novamente! Casamos e mais uma vez mudei de cidade. Logo descobri que estava grávida da Isa e não pude mais trabalhar. Foi uma gravidez complicada, tive descolamento de placenta, o parto foi traumático, mas graças à Deus ela nasceu perfeita!
Parei de vez de trabalhar e de frequentar a igreja. Agora eu tinha uma casa, um marido e dois filhos pra cuidar.

Desde então tenho o que eu sempre quis: uma família!
Eles são tudo de mais precioso na minha vida! É por eles que vivo e por eles que tento evoluir a cada dia!
Descobri um sentido para o meu diploma: educar meus filhos. E entendi o motivo de tantas voltas que já dei nessa vida: aprender a deixar Deus no comando.


Foto de Setembro de 2014.




Curiosidades sobre mim:


  • Gosto de azul e seus derivados, como roxo;
  • Sou do signo de peixes;
  • Não tenho cantor, ator, atriz ou grupo favoritos, vario sempre;
  • Meu gosto musical também é bem eclético, gosto de praticamente tudo;
  • Sou canhota;
  • Meu pior defeito e melhor qualidade são contraditórios: sou um pouco egoísta e gosto de ajudar as pessoas;
  • Queria ser loira natural;
  • Não ligo pra bens materiais;
  • Já morei em Jales, Rio Claro, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Jandira e Barueri dentro do Estado de SP. E em Ivatuva (internato IAP) e Curitiba no Paraná;
  • Amo viajar!
  • Falo (e escrevo) demais!!!

Beijo enorme pra quem chegou até aqui! Prometo que o próximo post será mais interessante!rsrsrs


Alyne



terça-feira, 16 de setembro de 2014

Porque nossos filhos são tão diferentes?

Se você é mãe (ou pai) de mais de um filho, já deve ter se perguntado isso pelo menos uma vez na vida!
Porque a gente educa igual, faz as mesmas coisas, dá a mesma comida, mas mesmo assim cada um é de um jeito?
Isso acontece porque cada ser humano é único! Cada um de nós nasce com características distintas, que formam nossa personalidade.
Quando temos um filho, precisamos aceitá-lo como ele é.
É claro que podemos influenciá-lo, não só nós, mas todo o ambiente que o permeia. Porém há características que são natas, elas impedem que criemos nossos filhos usando uma "receita de bolo".


Você pode ter um filho tímido e outro extrovertido; um pode ser organizado enquanto o outro é desligado; ou então um manhoso e o outro independente.


Quanto antes identificarmos essas características, mais fácil será educá-los.
Cada filho é único e precisa ser tratado assim.
Um grande erro, infelizmente muito comum, é os pais (ou um dos pais) demonstrarem preferência por aquele filho que tem a personalidade mais parecida com a sua, e por isso mais fácil de lidar.
Esse comportamento só faz reforçar as diferenças e ainda atrapalha o desenvolvimento cognitivo da criança, que se sentirá rejeitada.
O que devemos fazer é reforçar aquelas características positivas que cada um tem.
Por exemplo: o filho desorganizado não precisa ser lembrado constantemente dessa característica de forma pejorativa. Podemos incentivá-lo de uma maneira positiva - "filho, a organização nos ajuda a não perder tempo procurando nossas coisas. Tente colocar as coisas sempre nos mesmos lugares, para que assim você tenha mais tempo para brincar".
E nunca dessa maneira: "filho, porque você não é organizado como seu irmão?!"
Notaram a enorme diferença?
Esses detalhes fazem toda diferença no comportamento dos filhos, na saúde emocional deles e também no relacionamento entre eles.
Já viram quantos irmãos vivem em "pé de guerra"? Brigando pra ver quem é o melhor a vida toda? E quando os pais morrem, continuam a brigar, dessa vez por causa da herança! A raíz desse mau relacionamento está na infância. Em como os pais lidaram com suas características distintas. Reforçando-as negativamente.
Devemos fazer sempre o melhor para nossos filhos, e isso inclui tratá-los como indivíduos únicos.

Meus filhos são bem diferentes! Até durante as gestações e os partos rsrs Eu já sabia disso na teoria, mas pude comprovar na prática! A vontade era que todos fossem iguais e assim nosso trabalho seria menor. Mas acho que também seria menos enriquecedor.

Temos que incentivar as características positivas dos nossos filhos. Estimulando-os a desenvolver cada vez mais suas habilidades e aptidões, independentemente se são diferentes das do seu irmão. 
Não criamos nossos filhos para serem como nós desejamos, mas para alcançarem a plenitude de ser quem são.
Ame e respeite seu filho como ele é! Único e especial, uma obra-prima de Deus.


Um forte abraço!!

Alyne

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Ansiedade - Como enfrentar o mal do século - Dr Augusto Cury




Hoje vou contar para vocês, minha experiência com o livro citado acima.

Levei duas semanas para ler esse livro. 
Ele tem apenas 150 páginas, poderia lê-lo em 2h, se esse não fosse um livro tão extraordinariamente denso e instigante.
Ele me fez parar para pensar.
Pensar na Sindrome do Pensamento acelerado, que adoeceu coletivamente o mundo todo, e nós nem nos demos conta!
O Dr Augusto Cury é psiquiatra, psicoterapeuta, cientista e escritor. Ele é autor da Teoria da Inteligência Multifocal, que estuda a formação do Eu, os papéis da memória e a construção dos pensamentos. Ou seja: um gênio!
Já li diversos livros de sua autoria, mas este tocou naquele ponto que a gente vê, mas finge não enxergar.
Não é um livro fácil de ler. É preciso dedicar tempo e atenção para entendê-lo. 
Diria até que ele não é um livro para leigos, por conter um pouco de teoria que só quem já tem um pouco de noção de psicologia sabe, e também muitas siglas e palavras inabituais.
No entanto, somos seres dotados de inteligência, e por conta disso, acredito que todos podem usufruir de seus ensinamentos! Com mais ou menos dificuldades, mas todos podem. Basta vontade e dedicação.



O livro explica como funciona nosso pensamento, como formamos nossas idéias, o que nos faz repetir sempre os mesmos erros...Porque muitas vezes nos autossabotamos, não concluímos aquilo que começamos, porque nos cobramos tanto...

Ele fala sobre como funciona nossa memória, nosso Eu (mente) e os vários tipos de fenômenos que existem por trás das nossas atitudes.
Acima de tudo ele esmiúça a Ansiedade. Como e porquê nos tornamos seres tão ansiosos, doentes psicologicamente e estressados.


Ele aborda também aspectos importantíssimos da educação. Fala o quanto as crianças e adolescentes estão sendo esmagados pelo excesso de informação.

Você pode estar pensando: mas é só teoria? Ele só mostra tudo que está ruim?
Não! Ele ensina o caminho para reeditarmos nossos pensamentos e resgatarmos nossa qualidade de vida!
Esse é o ponto alto do livro. Ele detalha os 8 níveis da SPA (síndrome do pensamento acelerado) e nos ensina a desarmá-la! A fazer o caminho de volta à nossa saúde física, mental e emocional.
Se você sofre por antecipação, acorda cansado, não tolera trabalhar com pessoas lentas, tem dores de cabeça ou musculares ou esquece das coisas com facilidade, você precisa ler esse livro!!!
                                                ***


Procure na livraria mais próxima, ou na internet, ou faça como eu: compre no supermercado (no caso o Carrefour) por apensas R$ 15,90!! Dedique-se a conhecer melhor as causas e aprender a cura do mal do século.

Lembre-se sempre: Conhecimento não ocupa espaço, não pesa e muda nossas vidas!


Um beijo Grande e até a próxima!!

Alyne